Aprenda em 13 dicas como fazer a conservação de veículos

12 minutos para ler

Uma das grandes preocupações dos motoristas é em fazer a conservação de veículos da maneira adequada. Afinal, são muitos detalhes que precisam ser observados com frequência.

Há proprietários que cuidam mais da parte mecânica, outros mais da estética e há, ainda, aqueles que não sabem por onde começar, não é verdade? O ideal é procurar um equilíbrio, isto é, cuidar do motor e da lataria do seu veículo com igual dedicação.

Sabemos que a correria do dia a dia, muitas vezes, faz com que esqueçamos de colocar em prática os cuidados básicos para a conservação de veículos. Contudo, é importante mantê-lo em bom estado para garantir tanto a segurança no trânsito, quanto a valorização do bem para uma futura troca.

Pensando nisso, elaboramos este artigo especial com 13 dicas para você zelar pelo seu carro. Se você quer melhorar o trato com seu veículo, continue a leitura! Vamos lá?

1. Confira a água e o óleo

Quando as pessoas recém retiram a CNH (Carteira Nacional de Motorista) ou quando adquirem o primeiro veículo, é comum terem mais cuidado com ele, concorda? Nessa fase, costumamos verificar a água e o óleo diariamente, assim como o instrutor da autoescola orientou.

No entanto, com o passar do tempo, essa boa prática é esquecida. Em um belo dia, a surpresa: o motor do carro ferveu. O motivo? O nível de água do reservatório está abaixo do ideal, e o de óleo também. Quando isso acontece, o seu carro pode, inclusive, ter as juntas do cabeçote queimadas — e vai ser bem caro para consertar.

Cuidar de carro é igual casamento: não pode deixar cair na rotina. Por isso, para evitar que você seja pego de surpresa, trate o seu veículo com carinho diariamente. Antes de sair de casa, sempre verifique o nível da água e do óleo. Para verificar o óleo, lembre-se de ter próximo um pano limpo ou um papel toalha para limpar a vareta medidora.

2. Faça a troca de óleo

No tópico anterior falamos sobre o quanto é importante fazer o controle do nível de óleo. Mas você sabia que é preciso realizar a troca de óleo no tempo certo? Quando o nível do óleo está abaixo do indicado, fazemos a complementação. No entanto, com o uso, esse óleo é queimado, e se torna uma graxa. Por isso, é indicada a troca completa.

Geralmente, ela é feita a cada 5 mil km rodados. Os carros mais novos demandam uma frequência menor: 10 mil km ou a cada 12 meses. Isso ainda pode variar entre os modelos e as marcas. Um exemplo é o Jeep Compass 2.0 diesel em que a troca do óleo motor pode ser feita a cada 20 mil km.

Caso essa troca não seja feita, as impurezas que passam pelo filtro de óleo ficarão acumuladas, tornando a graxa ainda mais viscosa. Com o passar do tempo, o motor do seu veículo pode fundir. Então, não invente desculpas e não deixe de fazer a troca de óleo do motor.

3. Troque os filtros

Motoristas inexperientes, ou com menos disposição para gastar, costumam ficar assustados quando vão fazer a troca de óleo e o mecânico informa a necessidade de comprar um novo filtro de óleo também. Esse é um procedimento padrão, uma vez que esse item é o responsável por filtrar as impurezas que passam pelo circuito de lubrificação do motor. Geralmente, a sua troca é feita a cada duas trocas de óleo. Por isso, fique atento a esse item!

Outro componente que precisa de atenção é o filtro de ar. Ele é o responsável por conter as sujeiras do ambiente, impedindo que elas alcancem o interior do veículo, inclusive, o próprio motor. Usualmente, o filtro de ar costuma ser substituído assim quando é feita a troca de óleo. Isso acontece porque o indicado é que a troca ocorra a cada 10 mil km e a cada 5 mil para carros que andam muito em estradas.

4. Mantenha os pneus calibrados

A calibragem adequada dos pneus é fundamental para garantir a segurança dos veículos. Quando ela não está com as libras indicadas pelo fabricante, o automóvel sofre uma redução na sua dirigibilidade, perdendo a sua aderência ideal ao asfalto. Isso interfere diretamente na estabilidade do veículo.

Além disso, quando os pneus estão com a calibragem incorreta, a autonomia do combustível também é impactada. Caso ela esteja abaixo do ideal, o carro fica mais pesado, o que faz com que ele consuma mais do que o normal. Portanto, faça a conferência diária do nível de calibragem dos seus pneus.

Outro ponto é para nunca substituir os pneus por modelos incompatíveis com o veículo. Sim, eles são fabricados conforme o tipo do carro, seu tamanho, peso, tração etc. Isso impacta diretamente na segurança da direção. Além disso, você ser penalizado pelas autoridades de trânsito se não seguir o que a lei regulamenta. Se quer trocar os pneus, confira antes qual o limite possível.

5. Use as marchas no tempo certo

Conhecidas também como câmbio, as marchas são responsáveis por transformar a potência do motor em velocidade. Um dos cuidados fundamentais para conservação de veículos é atentar para fazer a troca de marchas no tempo certo. Quando isso não acontece, você pode forçar o motor e causar dano em longo prazo.

Não existe nenhuma fórmula mágica para saber a hora certa de trocar a marcha. A prática é a melhor professora. No início, as pessoas aprendem olhando a velocidade ou o conta giro: à medida que vai aumentando, faz-se o câmbio para marchas mais leves. Com o tempo, isso se torna instintivo, tanto pelo som que o carro emite como pela sua dirigibilidade.

Não se esqueça que a caixa de câmbio também é essencial para ações de direção defensiva. Um exemplo é o caso em que seja necessário frear: use a redução de marchas para deixar o carro mais pesado. Dessa forma a velocidade diminui, ajudando na frenagem. Além disso, a troca de marcha no tempo certo reduz o consumo de combustível.

6. Lave-o com frequência

Se você só lava o veículo após alguém escrever com os dedos a mensagem “lave-me” nos vidros, temos uma notícia: é preciso sempre lavar o seu carro. Não somente pela questão estética, mas para garantir com que a pintura e os outros componentes tenham maior durabilidade.

É importante ter cuidado ao escolher os produtos que você vai usar na hora da lavagem. Nunca, em hipótese alguma, use sabão em pó para lavar o seu veículo, pois as suas partículas arranham a lataria do carro. Use apenas produtos específicos, ou seja, da linha automotiva.

7. Use bons combustíveis

Infelizmente, é muito comum os motoristas escolherem o local de abastecimento pelo valor. Porém, muitas vezes, um custo muito abaixo do valor do mercado pode esconder um combustível adulterado. Para evitar essas situações, procure abastecer em diferentes postos e verificar o comportamento do veículo. Ele passou a engasgar? O combustível rendeu menos? Esses são sinais de que ele pode ter sido adulterado.

Com o passar do tempo, fica fácil identificar e eleger postos de confiança para fazer o abastecimento. O uso de combustível adulterado danifica o motor do seu veículo, além de pesar o seu bolso. Ele é o responsável por danos na bomba de gasolina e nas velas do motor.

8. Faça o polimento do veículo

Você viu que é importante fazer a lavagem do veículo com frequência. Agora, destacamos a importância de se fazer o polimento do veículo. Mesmo com os cuidados da lavagem do enceramento, ao longo do tempo, ficando exposta ao sol forte, a pintura do carro vai perdendo o brilho. Além disso, alguns arranhões podem aparecer na lataria, muitas vezes, causados pelo atrito de partículas do ambiente associadas à velocidade do veículo.

O polimento permite corrigir arranhões superficiais na carroceria, ou seja, aqueles que não atingiram o metal e não têm risco de enferrujar. Essa técnica deixa a tintura do carro mais viva e brilhante. Um veículo limpo e bem-cuidado chama atenção por onde passa, não é verdade?

9. Adote a direção defensiva

Boas práticas de direção defensiva, além de deixar o seu carro mais seguro, garantem a conservação do veículo e reduzem os seus gastos com manutenções corretivas. Esse modo de direção é aquele em que se conduz o veículo com responsabilidade, sem tomar atitudes perigosas, nem forçá-lo, como ao fazer curvas fechadas em alta velocidade.

Os cuidados diários com o veículo, como a verificação da água, do óleo e dos pneus, também são práticas de direção defensiva. Ao ter uma direção mais segura, você evita danos ao motor e à carroceria, e isso reduz as chances do carro ter uma pane — diminuindo, assim, os riscos de uma colisão, por exemplo.

Aliás, há situações em que não é necessária uma colisão forte para causar a perda total do veículo, como acontece quando as colunas são danificadas.

10. Faça a manutenção preventiva

Ainda temos uma cultura em que a manutenção só é feita quando o veículo deixa de funcionar. Isso acontece por muitos motivos, principalmente, pela famosa postergação. Às vezes, o orçamento fica apertado e vamos deixando a manutenção para o próximo mês, entrando em um looping que só acaba quando o carro para de vez, não é verdade?

A manutenção preventiva precisa fazer parte da rotina de conservação de veículos. Se você colocar no papel, verá que, na prática, o investimento é inferior, se comparado ao de manutenções corretivas.

Além disso, o seu carro fica mais seguro. Então, não deixe para revisar o veículo apenas quando for viajar.

11. Ligue o veículo regularmente

Hoje em dia é comum as pessoas terem um carro, mas, por diversas razões, optarem por outros meios de transporte (coletivos, caronas ou aplicativos). Com isso, o veículo fica parado durante a semana.

Quando isso ocorre, o óleo motor passa por aquele processo de se tornar mais viscoso, que explicamos em tópicos anteriores. Assim, se você ficar muito tempo sem ligar o motor e rodar com o veículo, ao dar a partida, corre-se o risco de fundir o motor.

Outra questão que merece destaque é a bateria, que pode descarregar e te deixar na mão quando precisar. Por isso, é preciso colocar o carro a funcionar com frequência.

12. Tenha um mecânico de confiança

É difícil encontrar algum fornecedor que você sinta confiança, não é verdade? Contudo, há muitos profissionais que atuam no segmento automotivo que são excelentes, tanto no fornecimento de peças e materiais quanto na manutenção propriamente dita.

A parte mecânica é uma das que mais gera gastos para os proprietários. Motoristas ficam na defensiva quando é preciso fazer esse tipo de manutenção. Como muitos não dominam o assunto, é natural acharem que o fornecedor está cobrando a mais ou fazendo a troca desnecessária de peças.

Para encontrar um mecânico de confiança, o ideal é pedir recomendações. Converse com outros motoristas, pesquise na internet e não deixe de fazer mais de um orçamento. Também é interessante acompanhar o processo de manutenção. Não tenha receio de perguntar: procure entender mais sobre o motivo de cada troca, o que cada peça faz e o que acontece se a troca não for feita.

13. Crie um cronograma de cuidados

O investimento financeiro é inevitável para a conservação de veículos. Sabemos que o custo para manter um carro em bom estado ao longo da sua vida útil não é barato. Mas isso não pode ser motivo para deixar de fazer a manutenção e de realizar cuidados diários. Para que você consiga conciliar o seu orçamento com os cuidados do seu veículo, é preciso criar um cronograma.

O planejamento é a melhor forma de assegurar que as manutenções sejam feitas sem impactar a sua renda familiar. Fazer isso usando papel e caneta pode ser uma opção, porém, no decorrer do tempo, pode ser que você perca as suas anotações.

Já pensou em usar a tecnologia ao seu favor? O próprio calendário do seu smartphone pode ser utilizado para agendar as suas manutenções: ele acionará um lembrete conforme a data estabelecida por você e seu mecânico.

Agora, se você é mais detalhista e quer acompanhar os valores investidos para a conservação do seu carro, a dica é usar uma planilha. Você pode recorrer ao Excel, ao Google Sheets ou a qualquer outro software de sua preferência. Assim, é possível acompanhar a frequência das suas manutenções, o valor, quais os itens trocados e os motivos para tal.

Desse jeito, você constrói um histórico do seu veículo. Isso ajuda a identificar danos recorrentes e a criar medidas preventivas para evitá-los. Lembre-se de guardar todas as notas fiscais das manutenções realizadas, sejam elas de mecânica, de funilaria ou de pintura. Além do seu veículo ter uma vida útil maior e você ter a sensação constante de carro novo, ter o histórico em mãos ajuda a vendê-lo mais rapidamente, se essa for sua intenção.

Isso porque quem está a procura de um carro confia mais em quem anuncia e demonstra preocupação com a conservação de veículos. Portanto, ter um cronograma de manutenções só traz benefícios para você.

Gostou das nossas dicas? Então, compartilhe o post com os seus contatos nas suas redes sociais favoritas!

Você também pode gostar

Deixe um comentário